Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

ad æternum

 

Foto: Graça Loureiro

 

 

 

Devaneios,

paixões

angústia gritante

que mede a dor

com pulsações

de tempo que não é

senão uma fracção de nada,

um abismo desesperado

um silêncio

um sonho roubado

que não volta,

vagueia só, na memória

que é, que se solta,

espaçada, em fractais

fugazes, de um sentimento

que é passado,

isómero

do que sou,

e que me diz

o amor que era,

que foi,

mas que já não é

imenso, feliz

de profundis,

ad æternum...

 

 

 

 

Cocteau Twins - Evangeline

 

Obs.: Quem desejar comentar este post, poderá faze-lo por email.

publicado por Sara Rocha às 10:15
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. TIC-TAC

. SAUDADE

. Pêndulo

. IPSE DIXIT

. PÉRFIDA

. Ana

. SIBILA

. HERESIA

. ESTRIDÊNCIAS

. ZÉNITE

.arquivos

. Julho 2013

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds