Quarta-feira, 28 de Julho de 2010

ZÉNITE

 

 

Nada mais, nada mais

que um último olhar.

A censura

do indomável azul,

escorre do céu 

e desenha obstinada,

o perfil esguio de um tempo

debruado de negro. Sacode

da luz zenital,

 um murmúrio de mim, que

num contorno quase terno,

esconde,

inseguro,

uma imensidão de vida.

Um último olhar,

devassa a escassez

do tempo, que

de asas fechadas

já não provoca

a mestria de um

despojado lamento.

Nada mais, nada mais

que um movimento de mão

que desenha, lento,

num monólogo de formas,

a crueldade de um sentir

sem paixão.

E um uivo de vento,

acorda a memória

quase límpida

do teu indomável olhar,

que a lucidez do tempo

escureceu. E agora,

no desalento de tudo,

dançam dedos que se cansam, pouco a

pouco, na lenta escrita

dos desejos de um último olhar.

 

 

Fotografia: JPM

Música: Recuerdos de Allambra, por Pepe

 

 

 

 

 

publicado por Sara Rocha às 20:26
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. TIC-TAC

. SAUDADE

. Pêndulo

. IPSE DIXIT

. PÉRFIDA

. Ana

. SIBILA

. HERESIA

. ESTRIDÊNCIAS

. ZÉNITE

.arquivos

. Julho 2013

. Maio 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds